E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Esta é uma pergunta recorrente ao longo dos 15 anos de nossa atuação na área de segurança em condomínios. A TV ajuda ou atrapalha o exercício da atividade profissional do porteiro?

O serviço de portaria e controle de acesso de pessoas, veículos e mercadorias de um condomínio é realizado em regra por um ou mais porteiros. Este serviço pode ser facilitado ou dificultado dependendo, dentre outras coisas, dos meios de apoio que este profissional possua a sua disposição. Estamos falando de radiocomunicadores, sistemas de interfones, circuito fechado de TV (CFTV), sistema de identificação eletrônico dos veículos, além dos cadastros. Sim, cadastros de moradores, de veículos, empregados domésticos, prestadores de serviço habituais etc. Vamos nos atentar ao cadastro de moradores.

Já faz alguns anos que não vemos mais aquele porteiro idoso, de cabelos grisalhos e desprovido de conhecimentos tecnológicos cuidando dos acessos aos condomínios. Raramente se vê hoje um porteiro sem aparelho de telefonia celular, ou que o possua mas não saiba utilizá-lo na sua plenitude. Tampouco temos entre esses profissionais aqueles que não conhecem e nem utilizam computador.

Como todos sabem, estamos às vésperas de um dos maiores eventos do planeta, a Copa do Mundo de Futebol. Especialistas dizem que mais de 1,5 bilhão de pessoas em todo o mundo estarão com os olhos voltados para o Brasil (já que o evento ocorrerá aqui), seja através da TV, rádio, jornal impresso ou mesmo internet.

O porteiro sabe que é a peça mais importante no sistema de segurança condominial, mas também sabe que é a mais frágil, ou seja, precisa se submeter a uma série de desejos e vontades pessoais de moradores, sob o risco de ser descartado antes de atingir seus objetivos profissionais.

Em nosso cotidiano, são muitas as situações pelas quais passamos que nos deixam incomodados e até mesmo constrangidos, como, por exemplo: ser barrado na porta giratória de uma agência bancária; ser abordado pela polícia; passar por vistoria pessoal ao adentrar um local de eventos; ser barrado pelo porteiro do condomínio onde moramos etc.

Já dissemos, em artigo anterior, que o registro do Boletim de Ocorrências (famoso B.O/PC, ou simplesmente B.O) tem o poder de “direcionar o policiamento” para os locais de maior incidência criminal, posto que o planejamento da atividade policial preventiva consulta um banco de dados para a distribuição do efetivo nos setores de patrulhamento.

Você já teve a sensação de que a polícia está sempre nos mesmos lugares? Muitas vezes esta sensação está correta, mas já se perguntou o porquê, tecnicamente, isto acontece?

Recentemente temos visto e ouvido muitos casos de arrastões a prédios residenciais. Trata-se de um movimento migratório da criminalidade organizada que, sentindo-se pressionada pelos órgãos públicos da área de segurança, migra de uma a outra modalidade delituosa.


Anuncie na Direcional Condomínios

Anuncie na Direcional Condomínios