Terça, 12 Fevereiro 2019 00:00

O morador está preparado financeiramente para erros na gestão de condomínios?

Escrito por 

A gestão de grande parte dos condomínios equivale à de empresas e cidades. É compulsório e necessário que os gestores incluam análises preventivas de diversas áreas: contábil, financeira, de manutenção, jurídica, dentre outras.

A ausência de processos e procedimentos, por exemplo, na gestão de tributos e trabalhista implicam muitas vezes nos mesmos problemas com o passar dos anos e em alguns casos findam em “surpresas” para os condôminos com multas, notificações e a composição de quotas extras.

Se uma edificação receber uma autuação fiscal trabalhista, ou se mantiver prestadores de serviços pessoas físicas que são contratados na maioria das vezes na informalidade, e o condomínio não dispuser de reservas em aplicações, contas correntes, o ônus recairá para o morador, com a arrecadação de valores não planejados.

E será que o condômino está preparado financeiramente para essa quota não prevista? E o que dizer de outras “surpresas” que envolvem a ausência da manutenção preventiva, a falta de planejamento financeiro para a obtenção do AVCB (Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros), entre outros?

Recomendado seria incluir a composição dessas provisões no orçamento e os respectivos valores reconhecidos pela contabilidade e pela auditoria contábil.

Não é adequado que só existam mudanças quando houver um monitoramento/acompanhamento (auditoria), uma fiscalização do ente tributário ou quando há a descoberta de indícios de não-conformidades pelo Corpo Diretivo ou Morador.

As grandes organizações possuem acompanhamento contínuo, através de Auditoria Interna e ainda contam a Auditoria Contábil Externa. Você, como adquirente de uma empresa, não compraria ações com a contabilidade e as finanças duvidosas. E por que em condomínios isso tudo tem se revelado diferente? As pessoas estão adquirindo e investindo em imóveis sem analisar esses passivos, essas contingências.

A Auditoria Preventiva, a compreensão da atuação dos Gestores de Condomínios, Prestadores de Serviços e demais pares com Governança (boas práticas, transparência) e o “Ser Compliance” (não por força de imposição de leis, regulamentos etc., mas pela própria instauração de procedimentos com vistas ao menor risco nas operações), é uma tríade sem volta, do contrário, outros reflexos serão sentidos como condomínios desvalorizados, dificuldades para venda, aluguel, aumento de acidentes, inadimplência.


Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.

Michele Lordêlo

Contadora e empresária do Grupo Lordêlo de Contabilidade (incluindo a Lordêlo Audit - Auditoria para Condomínios; Lordêlo Cont - Contabilidade para Empresas; e Lordêlo Trainning - Treinamentos Contábeis para as equipes das Administradoras de Condomínios). É especialista em auditorias para condomínios, doutora em educação, professora do curso de síndico profissional da Faculdade 2 de Julho, em Salvador (BA), na disciplina Auditoria e Gestão Contábil, professora de cursos de Pós-Graduação. Consultora do Programa Radar Imobiliário na TV Bandeirantes-Bahia e do Programa Radar Imobiliário na Rádio Transamérica, colunista do portal e revista Cadê o Síndico (BA), entre outros.
Mais informações: m_lordelo@yahoo.com.br.