Ao proteger mais os porteiros, guaritas propiciam maior segurança aos condomínios

Escrito por 

O síndico ou gestor condominial, antes de realizar mudanças na guarita, deve detalhar um projeto em que serão analisados os pontos fracos da edificação, conforme orienta Oswaldo Oggiam, diretor de marketing da Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança (Abese). Dessa forma, antes de buscar um fornecedor de produtos e equipamentos, precisa estar ciente das necessidades específicas do local. É importante ainda, segundo Oswaldo, assegurar com o futuro fornecedor um contrato com manutenção de 24 horas. Além disso, entrar em contato com prédios que adquiriram os produtos desejados pode ajudar a investir em um sistema de qualidade”, complementa o diretor.

Mesmo sem buscar uma empresa especializada em consultoria de segurança, o síndico Nicanor Souza, do Edifício Santana Top Life, localizado  na zona Norte de São Paulo, elaborou um projeto de segurança para o condomínio. Para isso, contou com um grupo de moradores que estudou as melhores maneiras de proteger o espaço.  Nenhuma área escapou da inspeção, incluindo a guarita, que ainda neste ano deverá receber vidros protegidos com películas e blindados.

Souza também revela que o número de câmeras será aumentado. O prédio, que possui 68 apartamentos, pretende dobrar a quantidade de equipamentos, permitindo que os porteiros tenham aumentado seu ângulo de visão e consigam monitorar tudo o que aconteça no perímetro do Santana Top Life. O edifício adotou ainda um esquema de segurança, com vaga sobressalente no subsolo da garagem, vigiada por câmera, que somente é usada em casos emergenciais. “Caso algum morador seja abordado e consiga passar pela vigilância, ele está ciente de aquela vaga – que nunca é ocupada – deverá ser a escolhida para estacionar o carro. Lá toda a movimentação é filmada, e os funcionários conseguem observar e alertar a Polícia para intervenção”, explica o síndico.

Os empregados do prédio, que estão no mínimo há cinco anos na função, são treinados para estar em constante observação e monitorando todos os lugares filmados pelo sistema de segurança. As imagens ainda podem ser vistas pela internet.

Para Margarete Alvarez, síndica do Condomínio Ideali, localizado na Vila Prudente, na zona Leste de São Paulo, um dos principais motivos para realização de um plano de reforma na guarita consiste em oferecer mais segurança para os funcionários. “Dessa forma, eles também conseguem agir com mais confiança na execução dos trabalhos diários”, conta.

Um arquiteto já foi contratado para organizar as mudanças no prédio de Margarete, que tem uma torre com 138 apartamentos. Além de blindar os vidros, o aspecto visual será transformado. A síndica também pretende instalar eclusas nos acessos e condições mais confortáveis para os vigilantes, como carpete e ar-condicionado.

Segundo Margarete, trabalhadores que possuem uma relação de confiança com os empregadores conseguem entender melhor o manuseio dos equipamentos e se sentem mais seguros para executar suas funções. “Precisamos trabalhar para que todos possam estar num ambiente seguro e funcional. Acredito que essa também é uma chave para que a segurança na guarita seja cada vez mais eficiente”, conclui a síndica.

São Paulo, 13 de setembro de 2013