Conveniência & serviços aos moradores dos condomínios que não precisam mais sair de casa para "fazer a feira"

Escrito por

Para muita gente, ir à feira é sinônimo de aglomeração e barulho, por isso preferem comprar em ambientes mais organizados e limpos, como em hortifrutis e supermercados. Mas já tem muito condomínio por aí de olho nesse cenário e correndo para garantir essa comodidade.

Na prática funciona assim: uma vez por semana a feira, que geralmente ocorre ao ar livre, na rua, é organizada dentro do condomínio com tudo que tem direito, como barracas de frutas, legumes e até pastel com caldo de cana! E ao invés de sair, os moradores só descem até o térreo.

Além de ser mais prático e seguro, o serviço também oferece valor agregado à administração. “Tem imobiliária que faz questão de falar sobre a feira ao apresentar o imóvel porque é um diferencial que agrega muito valor ao condomínio”, conta o empresário Rafael da Silva.

Ao organizar a feira em condomínio, Rafael cuida da estética, da iluminação, da limpeza geral e dos detalhes contratuais com a administração do condomínio. Ele pensa em toda a organização, para que os feirantes se preocuparem apenas em selecionar os melhores produtos e acelerar as vendas aos moradores.

“É direto do Ceasa para as feiras nos condomínios”

Os feirantes compram no CEASA e vendem diretamente aos condôminos, garantindo uma qualidade dos produtos similar àquela encontrada em qualquer feira de rua.

Aos interessados nesse serviço, foque na principal dica do Rafael: “No mercado tem muito aventureiro, é bom ficar atento à idoneidade da empresa que você vai contratar e buscar referências em outros condomínios”.

Outros modelos para ficar de olho

Para completar o conforto e as comodidades dos usuários, algumas redes estão implementando minimercados nas áreas comuns. “Toda a loja é baseada no conceito Honest Market, em que o morador é quem toma conta da unidade para nós”, explica Hélio Freddi Filho, diretor de expansão responsável pelo projeto de uma grande rede de supermercados.

Segundo Hélio, a loja tem câmeras espalhadas que permitem o acompanhamento remoto pela empresa, mas garante que até agora não houve grandes problemas. “Temos um atendente a cada três lojas para fazer a reposição dos produtos e limpeza do ambiente”, completa.

Esse tipo de serviço valoriza o imóvel, mas, para ser viável aos minimercados, é necessário uma quantidade mínima de moradores. Explorar esse modelo de negócio é uma oportunidade para aumentar a receita do condomínio com os aluguéis e outras taxas, além de acompanhar o acelerado ritmo de mudanças do mercado.


Matéria publicada na edição - 274 - jan/2022 da Revista Direcional Condomínios

Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.



Anuncie na Direcional Condomínios

Anuncie na Direcional Condomínios