Tendências – 25 anos, o que mudou? Tecnologia, automatização, inovação, novas soluções nos condomínios

Escrito por

Ao longo de 25 anos, tempo da revista Direcional Condomínios, muita coisa mudou. Em termos de tecnologia, valores, relações econômicas e sociais, o mundo se transformou de tal forma que parece termos avançado muitas décadas!

A sociedade vem se adaptando, as pessoas evoluíram, tudo se atualiza na velocidade da luz, e não é diferente no mercado de condomínios.

Um dos objetivos de todo síndico é obter uma eficácia maior na sua gestão e redução de custos, tanto das taxas condominiais como em recursos naturais. A tendência de modernizar a infraestrutura é um caminho sem volta.

Nesta reportagem selecionamos alguns itens em alta que os condomínios, se ainda não adotaram, é muito provável que implantarão nos próximos anos:

1) Sistema de segurança: Reconhecimento facial, o chamado “face ID”.

Mesmo que o rosto de uma pessoa mude com o passar do tempo, algumas características são mantidas. O Face ID, reconhece em segundos o usuário, liberando seu acesso nos condomínios. Além da segurança, o morador, visitante, funcionário, não terá o contato manual e se estiver com as mãos ocupadas, terá seu acesso liberado. Por QR Code, o morador pode liberar a entrada de um visitante ou convidados para uma festa;

2) Vídeo porteiro eletrônico:

Aparelho que garante a comunicação e visualização entre visitante, entregadores de delivery, fornecedores, diretamente com o apartamento, sem a necessidade da intervenção do porteiro físico;

3) Portaria remota ou automatizada:

O mercado apresenta novas soluções de controle de acesso, substituindo cada vez mais a mão de obra física. O condomínio poderá ter uma empresa intermediando o controle de acesso ou o condômino mesmo poderá liberar a entrada. Cada condomínio tem suas peculiaridades e se tiver perfil para implantar a Portaria Virtual ou Automatizada o fará, pois representa uma economia substancial;

4) Automatização ou mecanização de portões:

Muitos condomínios já utilizam o sistema inteligente de abertura dos portões das garagens, por meio da instalação de uma tag – selo de identificação no veículo e uma antena instalada no portão. Com este sistema, os porteiros não serão enganados pelos carros clonados e nem pelo velho acenar de mãos;

5) Câmeras inteligentes:

Há muitos anos, os sistemas de segurança utilizam a câmera IP, pela sua alta resolução nas imagens e nos áudios, com acesso sem fio à internet. Há também a opção de câmeras remotas utilizadas pelas empresas de portaria virtual e funcionários para fazer as rondas;

6) Energia solar e fotovoltaica:

Se o seu condomínio tem espaço para instalar as placas para captar os raios solares, gerando aquecimento de água ou eletricidade, o investimento retornará em pouco tempo. Há dois aspectos a destacar: economia na conta e a sustentabilidade. O planeta agradece;

7) Sistema de captação de água da chuva – água de reuso:

A consciência do uso racional da água será permanente. Nos condomínios novos, as construtoras já entregam o empreendimento com o sistema de captação da água da chuva, mas todos os condomínios podem ter um olhar atento neste quesito. Que tal chamar um engenheiro e pensar num projeto? Vamos captar água da chuva e utilizá-la na rega dos jardins, limpeza dos pisos de garagens, calçadas etc;

8) Tratamento de água da piscina:

Há soluções novas no mercado que reduzem o uso de cloro para manutenção da água da piscina. Com a aplicação de ozônio, a água fica cristalina, sem acréscimo de produtos químicos, deixando-a mais saudável aos banhistas;

9) Aquecimento de piscina:

Muitas piscinas são subutilizadas porque não há conforto térmico. Mas, há opção de sistema de climatização com bombas inteligentes denominadas trocadores de calor. Este sistema capta a temperatura ambiente e faz a compensação da temperatura da água, deixando mais sustentável do que o consumo de gás encanado;

10) Carregamento de carro elétrico:

Até meados de 2030 o Japão quer eliminar a produção de carros movidos a combustível fóssil. O mundo inteiro caminhará neste sentido. No Brasil, a previsão é que em 10 anos, 5% dos carros pequenos serão elétricos. Por isso, é importante os síndicos se anteciparem às demandas crescentes por carregamento veicular;

11) Elevadores inteligentes:

Imagine um pavimento onde há dois elevadores. Mesmo que o usuário chame ambos, somente um será acionado: o que estiver mais próximo ou o que estiver em melhores condições técnicas. Claro que isto evita o desperdício de energia e aumenta a vida útil dos equipamentos. Outra solução moderna é o modo stand-by, onde após alguns minutos sem uso, o sistema desliga alguns itens como luz da cabina, indicadores de posição dos pavimentos, etc. Outra novidade é o sistema de resgate. Se o elevador pára por motivo de falta de energia, automaticamente a cabina irá para o andar mais próximo, liberando rapidamente os usuários, evitando um possível resgate por pessoas não habilitadas e uma estressante espera até a chegada do técnico da empresa responsável pela manutenção. O elevador é o meio de transporte mais seguro do mundo e foi ele quem possibilitou a verticalização das cidades. De olho no elevador!

12) Medição individualizada do consumo de água, gás e energia:

Condomínio que ainda possui a conta coletiva das concessionárias poderá investir no sistema de autogestão para a medição do consumo de cada apartamento, um projeto com retorno rápido e menos burocrático do que o método da individualização tradicional ofertada pelas concessionárias. A autogestão, por meio de empresas credenciadas, trará um retorno mais rápido para os moradores. Em tese, o condomínio vai investir somente nos medidores de consumo e na mão de obra para a instalação;

13) Recuperação de crédito:

Ainda polêmico, há empresas que resolvem o problema da inadimplência nos condomínios, com retorno rápido. A solução da chamada “garantidora de crédito” é comprar a dívida do condomínio, pagar à vista e negociar diretamente com os proprietários das unidades devedoras;

14) Política de reciclagem:

A coleta seletiva, apesar de não ser obrigatória nos condomínios residenciais é uma boa prática a ser aplicada e incentivada entre os moradores, trazendo economia nos insumos e recursos. Óleo de cozinha, vidro e plástico são alguns dos materiais mais reutilizados no mercado. Há várias ONGs que podem recolher o material no seu condomínio.

15) Aplicativos de apoio à gestão:

A comunicação com os moradores é primordial, por isso, existem vários aplicativos de apoio ao gerenciamento dos condomínios, oferecendo soluções às demandas de manutenção, chamados, serviços administrativos e financeiro. Tudo na palma da mão. Um serviço moderno e muito útil, indispensável nos dias atuais.

16) TV corporativa:

Há quase 10 anos, convivemos com as TVs corporativas dentro dos elevadores. No início somente em condomínios comerciais, mas atualmente estão também nos residenciais. A comunicação é rápida e fica mais próxima dos moradores. A TV corporativa é uma ferramenta elegante e moderna.

17) Sensores de presença ou movimento:

Os sensores de presença são populares nas garagens, halls e escadas. As lâmpadas são acesas somente quando se detecta o movimento de pessoas e/ou animais. Eles se tornaram um item necessário, pois gera economia de energia. Outra tendência são as portas que abrem e fecham automaticamente, sem contato manual.

18) Serviços e comodidades aos moradores:

Lockers inteligentes para fast food, lavanderias e entregas de produtos de pequeno e médio volume. Pet shop móvel, feiras, mini mercado de autoatendimento, lavagem ecológica de carros, serviços de beleza, relaxamento e lazer. Sem contar com espaços coworking e muito mais. Talvez, este seja um dos legados da Pandemia: modernização e facilidade na vida dos condôminos.

Gostou dessas novidades? Mas, atenção! Antes de fazer qualquer adequação, investimento ou benfeitoria no condomínio é muito importante elaborar um estudo preliminar do projeto, fazer a pesquisa de mercado e ser respaldado por profissionais qualificados e consultores técnicos isentos. Assim, o síndico terá muito mais êxito na assembleia.

É de suma importância também observar não somente as obrigações legais do síndico, conforme estabelecidas no Código Civil, mas a legislação local e as normas técnicas, especialmente para a manutenção do AVCB, obedecer a rota de fuga, toda a sinalização interna e a realização de adequações importantes quanto à acessibilidade, que é obrigatória.

Neste sentido vale observar o Guia do COE - Código de Obras e Edificações, elaborado pela Prefeitura de São Paulo, com base na Lei nº 16.642, de 9 de maio de 2017 e Decreto nº 57.776, de 7 de julho de 2017 que estabelece as diretrizes quanto aos padrões de apresentação dos projetos para a instrução dos pedidos relacionados à atividade edilícia.

“Art. 1º Este decreto regulamenta os procedimentos administrativos e executivos e fixa as regras gerais e específicas a serem obedecidas no projeto, licenciamento, execução, manutenção, utilização e fiscalização de obras, edificações, equipamentos, obras complementares, terraços e mobiliários, dentro dos limites dos imóveis em que se situam”.


Matéria publicada na edição - 274 - jan/2022 da Revista Direcional Condomínios

Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.


logo Instagram

Siga a Direcional Condomínios no Instagram

logo Instagram
logo Instagram
logo Instagram

Anuncie na Direcional Condomínios

Anuncie na Direcional Condomínios