Doação de sangue: Condomínio também é solidariedade

Escrito por 

Alguns condomínios têm procurado contribuir com os estoques dos bancos de sangue no País, cujos índices estão baixos desde o início da pandemia.

Doação de sangue

O síndico Silvio Sipliano (à esq. na imagem) e o médico Valdir Camillo, responsável pela captação de sangue do Hemocentro São Lucas, que montou a estrutura no Condomínio WI Villa Augusta (foto)

“Nenhum banco de sangue de São Paulo está com estoque ótimo, o nosso é crítico, no máximo para 2 a 3 dias”, afirma o médico Valdir de Almeida Camillo, responsável pela captação do Hemocentro São Lucas, de Guarulhos.

Valdir foi o médico responsável pela equipe do São Lucas que atendeu no Condomínio WI Villa Augusta em 11 de fevereiro passado, em Guarulhos, no reinício da campanha “Amigo Sangue Bom”, promovida pelo síndico Silvio Sipliano. Em 2020, Sílvio conseguiu mobilizar 9 condomínios da região, reunindo 755 doadores. De acordo com o médico Valdir Camillo, para compensar o deslocamento de profissionais, equipamentos e materiais do hemocentro ao prédio, o condomínio deve garantir pelo menos 50 doadores. Para o evento do dia 11 foram cadastrados 70.

O hemocentro precisa ainda de um espaço físico que comporte áreas separadas de recepção, triagem, coleta e atendimento emergencial, com banheiros e instalações elétricas apropriadas. O médico destaca a importância das campanhas, lembrando que cada doador proporciona a extração de 4 hemocomponentes indispensáveis aos hospitais: Plaquetas, plasma, crioprecipitado e hemácias. No Condomínio WI Villa Augusta, a estrutura foi montada no salão de festas. Síndicos interessados em aderir à ação podem fazer contato com Sílvio Sipliano através do telefone (11) 97169-8068.


Matéria publicada na edição - 265 - mar/2021 da Revista Direcional Condomínios

Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.