Decoração, luminotécnica e paisagismo concedem identidade aos halls

Escrito por 

Desde a sua implantação em 2013, o Condomínio Domínio Marajoara, na zona Sul de São Paulo, ainda não havia mexido no padrão dos halls de entrada de suas sete torres. Com 66 mil m2 de área e 594 unidades, o condomínio-clube renovara, por exemplo, o conceito e os equipamentos de suas quatro brinquedotecas em 2018.

Síndico Paulo Fontes
Hall Condomínio

Síndico Paulo Fontes em um dos halls com novas esculturas em temas marinhos; nas demais imagens, detalhes de mobiliário e iluminação

Já ao longo de 2019, o síndico Paulo Fontes, o Conselho e uma Comissão de Decoração do Hall, formada por três moradores arquitetos, trabalhou sobre um novo projeto de decoração, paisagismo e luminotécnica para esses ambientes, trabalho concluído em março passado.

“Os halls foram entregues pela construtora sem qualquer tipo de mobiliário, havia solicitação de moradores para ‘preenchermos’ o espaço. Mas buscamos uma intervenção clean, pois o conceito atual nos halls é o de que não sejam ambientes de salas de estar”, observa Fontes. Moradores voluntários também participaram das discussões em torno do projeto, desenvolvido pela designer de interiores Mari Ester Golin. Condomínio com cara de resort, o Domínio Marajoara batiza suas torres com nomes de praias, mas a comissão visava a um padrão de decoração que fugisse da obviedade, destaca o síndico. Foram executadas três variações do projeto, pois em cada grupo de torres os halls apresentam tamanhos diferenciados.

Todos ganharam esculturas impressas com polipropileno em 3D e pintadas com tinta automotiva metálica, trazendo figuras marinhas como o rabo da baleia, a lagosta, o peixe marlim, o dragão do mar, o polvo, a amonite” (fóssil), a arraia e o peixe moreia. Na luminotécnica, foram extraídos de onze a 20 pontos de luz que haviam sido instalados pela construtora, dependendo do hall; nichos nas paredes foram iluminados e ganharam texturização artesanal, e; lustres em Led no formato de anéis foram instalados com pendentes em alinhamento horizontal ou entrelaçados (na entrada dos elevadores). A decoração recebeu poltronas do modelo “Jangada”, de Jorge Zalsupin, de 1958. “Os tecidos são impermeáveis para uso interno, facilitando a sua limpeza, variando tons de azuis para remeter ao design navy, muito usado nas grandes embarcações”, especifica a designer Mari Ester Golin. Uma mesa de apoio rústica completa cada par de poltronas, “feita com recorte em tora da madeira Pequiá”. Por fim, o paisagismo está presente “com grandes vasos esmaltados verde esmeralda e vegetação da palmeira brasileira Ônix”.

De acordo com Mari Ester, a proposta procurou “revitalizar os espaços existentes sem a modificação estrutural da construção, mantendo as cores das paredes e tetos, pisos e revestimentos”. Já o padrão luminotécnico foi alterado porque “o excesso de luminosidade provocava ofuscamento, essa sensação faz com que as pessoas fiquem mais agitadas e andem mais rápido até seu destino (elevadores)”. Mas, além do conforto, a nova iluminação trouxe economia de energia para o condomínio (que também substituiu as lâmpadas halógenas que ainda não tinham sido trocadas).

Salão de festas, modernização indispensável – Moradora e gestora do Condomínio Biblos há cerca de dez anos, a síndica Mara Emília Penteado de Oliveira tem promovido inúmeras obras de recuperação e/ou modernização das instalações do prédio. Após contratar um retrofit elétrico, com aumento de carga, em 2013, a síndica viabilizou a modernização do salão de festas (foto) do condomínio de 34 anos e 56 apartamentos, localizado no bairro de Cerqueira César, centro expandido de São Paulo. A obra foi realizada em 2015 e desde então o espaço tem sido bastante utilizado, afirma Mara. “Precisávamos renovar o salão, que era muito feio, e valorizar o patrimônio dos moradores”, completa a síndica. Mesmo condomínios mais recentes têm apostado na modernização dos salões de festas, espaços gourmet e churrasqueiras, potencializando o uso desses ambientes.


Matéria publicada na edição - 259 - agosto/2020 da Revista Direcional Condomínios

Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.