A vez da modernização elétrica no Edifício Grenoble (SP)

Escrito por 

O retrofit elétrico do Condomínio Grenoble, prédio construído em princípios dos anos 70 na região dos Jardins, em São Paulo, já estava no planejamento do síndico Luiz Roberto de Araújo, que nos últimos sete anos tem realizado inúmeras melhorias na edificação (como a modernização completa dos dois elevadores sociais, além da academia e brinquedoteca, entre outros).

Agora, neste ano, ele deu início aos trabalhos que preveem reestruturação geral das instalações de entrada de energia no prédio (imagem acima), implantação de novas prumadas, inutilizando-se as antigas, reforma do centro de medição, dos quadros de distribuição etc.

De acordo com o engenheiro eletricista responsável pela execução da obra, as 44 unidades terão aumento de carga, passando de 40 ampères do sistema bifásico para 63 ampères no trifásico. Ou seja, a potência a ser disponibilizada em cada apartamento irá de 8,8 KVAs para até 24 KVAs, o que poderá ser utilizado pelo morador desde que ele promova adequações internas. No caso, é essencial, conforme o especialista já havia alertado na reportagem de elétrica do mês de fevereiro deste ano, na Direcional Condomínios: Passar o quadro elétrico interno para o sistema trifásico; instalar tomadas adequadas à potência dos equipamentos; e providenciar a distribuição interna do sistema de aterramento.

De acordo com o síndico Luiz Roberto de Araújo, a entrada de energia no prédio ainda dispõe de muflas nos postes, sistema antigo e bastante vulnerável. A concessionária de energia elétrica irá instalar um transformador exclusivo para o Grenoble, que arcará com 50% dos custos do equipamento. O retrofit elétrico no prédio segue um roteiro bem parecido com as obras que têm sido realizadas nas edificações mais antigas: Aproveitamento do duto da lixeira para a distribuição de novo cabeamento, com necessidade de obras nos halls dos pavimentos e nas unidades para receber a fiação. O prédio também já havia promovido reformas emergenciais para a regularização do AVCB.

Mas aqui o síndico decidiu comprar todos os componentes elétricos. “Estamos conseguindo fechar bons negócios com os fornecedores”, diz. A obra está orçada em R$ 275 mil, investimento que será feito sem necessidade de rateio extra.


Matéria publicada na edição - 243 - março/2019 da Revista Direcional Condomínios

Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.