“O ar condicionado seria para todos ou para ninguém”

Escrito por 

A necessidade de regularizar o uso de ar condicionado pelos moradores do Condomínio Edifício Cardeal, localizado no Itaim Bibi, zona Sul de São Paulo, ajudou a síndica Luciana de Souza Campos a convencê-los a aprovar o retrofit elétrico da edificação, executado em 2018.

Síndica Luciana Campos

Síndica Luciana Campos: Retrofit elétrico para atender às novas normas do setor e regularizar uso de ar condicionado

Não é a primeira vez que Luciana atua sobre a parte elétrica do prédio de mais de 50 anos e 50 unidades. Ao assumir o cargo, em 2012, havia se deparado com um quadro bastante precário, especialmente no centro de medição e nas caixas de distribuição, com ocorrência de curtos-circuitos e risco de incêndio. A situação foi regularizada depois de uma reforma de emergência, porém, não se mexeu no descompasso que havia entre a capacidade instalada do prédio e a demanda mais elevada de energia pelas unidades.

Como algumas já tinham ar condicionado, mas o prédio não comportaria aumentar o número de equipamentos, a síndica propôs a modernização completa das instalações; “o ar condicionado seria para todos ou para ninguém”, explica. Um reforço para convencer a assembleia a investir na obra veio de um comunicado da concessionária pública de energia, informando ao condomínio que a localização de seu centro de medição, no hall térreo de serviços, se encontrava em desacordo com as novas normas técnicas do setor. Desta forma, “em agosto de 2017 estávamos começando a fechar o contrato e, em dezembro de 2018, fizemos a ligação dos novos relógios”, diz. Os investimentos chegam a pelo menos R$ 350 mil, incluindo os reparos assumidos pela administração nos halls e interior dos imóveis.

De acordo com o responsável técnico pelos trabalhos, Alexandre Pasqualini, o roteiro da obra incluiu desde a instalação (sem ônus) de um transformador exclusivo para o condomínio, à implantação do centro de medição na área externa, novas prumadas, e reestruturação da parte da entrada de força no prédio (coluna, quadros e ramais), instalação de caixas com DPS, de novo quadro para as áreas comuns, entre outros serviços. Como resultado, destaca a síndica Luciana, “o condomínio está disponibilizando uma carga e uma fiação nova. Agora cabe às unidades providenciarem sua própria reforma”. O corpo diretivo estabeleceu como regra que os aparelhos de ar condicionado deverão ficar internos às unidades.

BUSCANDO NOVOS CAMINHOS PARA A FIAÇÃO - Um retrofit elétrico exige, em muitos casos, que o prédio execute uma nova prumada de distribuição de energia às unidades. No Condomínio Cardeal, a estrutura antiga não pôde ser reaproveitada. Para a distribuição vertical do cabeamento, foi executado um nicho nos halls dos andares. Já os fios que vão até o quadro de energia dos apartamentos foram embutidos em eletrocalhas instaladas horizontalmente no alto dos pavimentos (imagem à esq.). A síndica Luciana Campos providenciará, agora, um acabamento em gesso em torno desses componentes. Mas os moradores do 9º andar resolveram se antecipar e cotizaram os custos para fazerem um teto rebaixado em gesso ao longo de todo hall, imprimindo um ar mais contemporâneo ao ambiente (imagem à dir.). (Por R. F.)


Matéria publicada na edição - 242 - fevereiro/2019 da Revista Direcional Condomínios

Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.