Síndicos relatam dificuldades com gestão do parque arbóreo

Escrito por 

Problemas ocorrem diante riscos de queda de árvores localizadas em terrenos vizinhos ou áreas públicas.

gestão do parque arbóreo

Foto Rosali Figueiredo

Uma área de recreação infantil do Condomínio Parque Residencial Nossa Senhora do Sabará, na zona Sul de São Paulo (SP), está interditada há pelo menos três anos porque os eucaliptos plantados no terreno vizinho apresentam falta de manutenção e quedas frequentes de galhos. A área pertence a uma incorporadora imobiliária, está vazia e, de acordo com a síndica Patrícia Branco, mesmo diante dos riscos que os espécimes oferecem aos prédios e moradores do Residencial Sabará, a empresa não providenciou a remoção. Ela já esteve, inclusive, autorizada pela Prefeitura de São Paulo a fazê-lo, concessão que chegou a ser publicada no Diário Oficial do Município.

"Tivemos que entrar com ação judicial contra a incorporadora, proprietária do terreno. A empresa chegou a abrir processo na Prefeitura, obteve autorização para poda e remoção, mas não tomou providência", relata Patrícia Branco. Segundo ela, "os eucaliptos invadem o condomínio, os galhos caem no espaço do parquinho, são árvores que apresentam riscos e precisam de manutenção". A área em questão fica permanentemente fechada, com cadeado no portão de acesso, vetando seu uso.

"Sentimo-nos prejudicados, pois não estamos atrás de um benefício. Queremos evitar riscos, acidentes. A queda de um pequeno galho de 15 cm do eucalipto já é suficiente para quebrar o para-brisa de um carro, imagine se cai em cima de uma pessoa", desabafa a síndica.

O condomínio possui mais de 40 mil m2 de área, 14 prédios e 756 unidades. No limite oposto de seu terreno, ela enfrentou problemas com árvores de outro vizinho, sede de uma empresa. Mas esta acatou as solicitações da síndica e promoveu manejo arbóreo, com poda e remoção de um espécime que havia morrido depois da queda de um raio.

Manejo arbóreo: Manutenção regular

A Prefeitura São Paulo define quatro tipos de poda visando à manutenção dos espécimes arbóreos. Segundo o Manual Técnico de Poda, lançado em 2005 pela Secretaria do Verde e Meio Ambiente, as podas podem ser de:

- Formação: Seu objetivo é conferir uma forma adequada à árvore durante o desenvolvimento;

- Limpeza: Visa a eliminar ramos doentes, praguejados ou danificados;

- Emergência: Promove a retirada de galhos que colocam em risco a segurança das pessoas;

- Adequação: Ajusta o desenvolvimento da árvore aos espaços, edificações ou equipamentos urbanos.

Depoimento: "Caso resolvido depois de exposição à imprensa"

gestão do parque arbóreo
gestão do parque arbóreo

Síndico Luiz Leitão da Cunha fala da jornada que percorreu para que a Prefeitura de São Paulo removesse árvore com risco de queda iminente em via de grande circulação de pessoas e veículos. Ele deixa dicas de como mobilizar o Poder Público e agilizar soluções.

Fotos tiradas pelo síndico Luiz Leitão da Cunha

"Há tempos, uma árvore enorme situada na Alameda Lorena, quase esquina com a Rua Haddock Lobo, em São Paulo, chamava minha atenção por apresentar uma razoável inclinação em direção à rua, com seus galhos já se encostando ao sétimo e último andar de um prédio situado do outro lado da rua. Um belo dia, o vigilante da rua me disse que um galho bem grande havia caído na calçada, pegando de raspão uma mulher que passava. Nesse dia, percebi que o perigo era grande, e alguém poderia morrer se a árvore tombasse.

Acionei diversas vezes a Prefeitura através do site 156 (https://sp156.prefeitura.sp.gov.br/portal), mas ninguém vinha averiguar a situação da árvore. Soube, através de funcionários das lojas que fazem parte do condomínio, que havia uma abertura no alto do tronco oco da árvore, todo comido por cupins. Cansado de esperar pela Prefeitura, resolvi acionar o jornal O Estado de S. Paulo, que publicou as fotos da árvore oca.

Somente dois dias depois apareceu um engenheiro agrônomo da Prefeitura. Ele examinou a árvore e constatou que havia risco de queda. Poucos dias depois, ele me telefonou e informou que a árvore seria retirada numa sexta-feira, em agosto de 2017, e que já havia acionado o Corpo de Bombeiros, a Eletropaulo e a Defesa Civil.

Mas esse foi um caso extremo, que, no entanto, só foi resolvido mais rapidamente graças à sua exposição através da imprensa. A poda ou retirada de árvores menores, situadas no espaço público, deve ser solicitada à Prefeitura. A autorização de poda ou retirada de árvores situadas em espaços privados deve ser solicitada à Prefeitura através do telefone ou site 156, sendo feita por empresas privadas. Mais informações podem ser obtidas no link http://www.capital.sp.gov.br/cidadao/rua-e-bairro/manutencao-urbana/poda-de-arvores

Tratando-se de árvores com visível risco de queda, a atitude mais eficaz é acionar a Defesa Civil, através do telefone 199."


Matéria complementar da edição - 238 - setembro/2018 da Revista Direcional Condomínios

Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.