Protegendo a fachada no condomínio: Manutenção básica

Escrito por 

A legislação do município de São Paulo determina que os edifícios renovem a pintura ou façam a manutenção da fachada no máximo a cada cinco anos, assim como norma da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), destaca o arquiteto e perito judicial Daniel Cyrino Pereira.

O especialista observa que o topo e a base são as partes mais vulneráveis da fachada: “Os prédios não se locomovem, restam estáticos apoiados em suas fundações. Por conta disto, mecanicamente, sua estrutura atua como um pêndulo invertido, na qual a base fica parada e o topo oscila conforme as acomodações, o vento e as demais forças que atuam sobre sua estrutura. Portanto, os esforços solicitantes maiores atuam tanto na base quanto no topo dos edifícios. Vale ressaltar que os materiais de construção são pouco plásticos e possuem elasticidade reduzida. Assim, tanto na base quanto no topo, os edifícios tendem a apresentar fissuras mais pronunciadas.”

A ABNT NBR 5.674/2012 e ABNT NBR 14.037/2011 orientam a manutenção desses sistemas e determinam que os serviços sejam realizados por empresa e/ou profissional habilitado e registrados em livro próprio, afirma o engenheiro civil José Ricardo Pinto, vice-presidente do Ibape-SP (Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia). A seguir, José Ricardo sintetiza os procedimentos básicos a serem aplicados na manutenção da fachada:

- Pintura

A fachada deve ser lavada periodicamente, conforme recomendação do Manual das Áreas Comuns entregue ao síndico, e repintada após o tratamento de trincas e/ou fissuras que possam ter surgido no revestimento, dentro da periodicidade prevista, de acordo com a ABNT NBR 5.674/2012 e ABNT NBR 14.037/2011.

- Pastilhas ou demais revestimentos cerâmicos

As pastilhas e/ou revestimento cerâmico devem ser lavados periodicamente, também conforme a recomendação do Manual das Áreas Comuns. A revisão do rejuntamento das mesmas deve obedecer ao prazo indicado pelas normas ABNT acima.

- Texturas

A textura deve ser lavada periodicamente, atendendo ao Manual das Áreas Comuns, e repintada após o tratamento de trincas e/ou fissuras que possam ter surgido no revestimento, dentro da periodicidade prevista pela ABNT NBR 5.674 e na ABNT NBR 14.037.

- Concreto

A estrutura de concreto armado aparente em fachada também deve ser lavada periodicamente, conforme o Manual das Áreas Comuns, e ter o seu acabamento (película protetora, verniz, hidrofugante etc.) reaplicada na periodicidade prevista. “De uma forma geral, a pintura protege o revestimento, o revestimento protege a alvenaria e o conjunto trás o conforto ao usuário”, encerra José Ricardo.


Matéria publicada na edição - 236 - julho/2018 da Revista Direcional Condomínios

Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.