O trajeto da energia elétrica em uma edificação

Escrito por 

Para quem não é do ramo, o sistema elétrico de um condomínio pode parecer algo bastante complexo. Mas o especialista Valdir Gadioli, sócio da Exclusiva Engenharia, ajuda a compreender como funciona:

1. Ponto de entrega - coluna em concreto na frente do edifício ou fachada do prédio, junto à calçada, onde a concessionária entrega a energia em alta tensão. A energia é conduzida por cabos isolados de elevada espessura, através de eletrodutos subterrâneos ou não. Devido à sua extensão, pode ser necessário o uso de caixas de passagem com dupla função: facilitar a instalação dos cabos (espessos e pesados) e eventuais manutenções.

2. Centro de medição do empreendimento – local onde a energia é distribuída e quantificada para futura cobrança. Basicamente, possui três etapas: os barramentos de cobre que recebem os cabos de alta energia e os distribuem em cabos de menor espessura, através de eletrodutos, para uma segunda etapa, de seccionamentos e manobras (necessária basicamente para o desligamento geral ou parcial da energia). Em seguida a energia é distribuída para a etapa seguinte: as caixas dos medidores de energia, onde ficam os "relógios" da concessionária.

3. Caixas dos medidores de energia - existem tantos medidores/ "relógios" quanto necessários para atender a cada unidade e área comum individualmente. A leitura mensal do consumo de energia gera as contas de luz.

4. Caixas porta-bases - a partir dos medidores/ "relógios", os cabos individualizados seguem para caixas porta-bases que possuem os disjuntores individuais dos apartamentos e da área comum. Estes disjuntores, assim como os cabos, possuem sua espessura (bitola) calculada e autorizada pela concessionária, e não podem ser alterados sem sua autorização prévia.

5. Caixas de disjuntores – a partir das caixas porta-bases, há cabos que levam a energia elétrica até as caixas de disjuntores no interior de cada unidade e área comum. O nome desse percurso de cabos é prumada elétrica. E é até aqui que vai a responsabilidade legal do condomínio. A partir da caixa de disjuntores das unidades até o uso da energia (aparelhos elétricos) a responsabilidade legal de manutenção, preservação e utilização é do condômino.

São Paulo, 7 de fevereiro de 2013