Água – Tratamento

Escrito por 

ECONOMIA E QUALIDADE NAS EDIFICAÇÕES COM TUBULAÇÕES EM FERRO

A água turva ou amarelada que costuma sair das torneiras nos prédios com encanamento em ferro galvanizado provocam insegurança entre os usuários, temerosos de eventuais danos à saúde. “A primeira impressão é de que as tubulações estão enferrujadas, mas na verdade o que está ocorrendo é o arraste das incrustações formadas no seu interior”, informam os técnicos da Acquality. Eles lembram que essas formações têm origem nos próprios minerais da água, podem trazer problemas ao organismo humano, mas que seus principais prejuízos recaem sobre o bolso.

A fim de obter uma coloração mais cristalina, o consumidor acaba deixando a torneira mais tempo aberta que o necessário, opta ainda por comprar água mineral, e também se vê às voltas com louças e roupas manchadas e maior necessidade de manutenção em chuveiros, válvulas solenóides de máquinas de lavar e filtros. Por outro lado, o acúmulo das incrustações na rede diminui o fluxo de água e aumenta o desconforto.

Estabelecida no mercado desde 1997, a Acquality se especializou no tratamento químico da água nas edificações que possuem instalação hidráulica em ferro galvanizado e apresentam esse tipo de problema. “Atendemos a mais de 350 condomínios, além de escolas, motéis, hotéis e indústrias”, afirma o químico industrial e empresário Milton Sahoei Asato. Milton destaca que “o custo em relação aos problemas ocasionados pela água amarelada são bem maiores que o do tratamento”.

Por meio do Econox, produto químico bastante utilizado na indústria alimentícia e aplicado nos sistemas de distribuição de água potável desde os anos 80 na Europa, a Acquality garante uma “água completamente cristalina e mais saudável para o consumo humano”. O Econox, feito à base de polifosfato e ortofosfato de sódio, permite solubilizar os íons de ferro e manganês, “que são os principais agentes da coloração inadequada”. Outra grande vantagem do sistema, observa Milton, é evitar a substituição dos encanamentos, os consequentes transtornos do quebra-quebra e os custos das novas instalações. “A ideia é aproveitar o máximo o que está bom, o que está funcionando e trocar as tubulações apenas quando estiver vazando”, acrescenta o empresário.

Segundo Milton, o sistema requer um equipamento dosador, instalado junto às bombas. A solução é injetada sempre que estas alimentam as caixas superiores, o que permite “um controle de dosagem”. Mas a adição do produto poderá ser feita também na alimentação das caixas inferiores ou na linha de recalque das bombas, para que o tratamento se inicie deste ponto visando a um melhor desempenho das mesmas, por meio da limpeza da tubulação. “Portanto, o produto será adicionado em toda água que circula pelas instalações, promovendo a sua ação.”

Mas a Acquality ressalva que o grau de remoção dependerá do volume e velocidade da água, além da quantidade de matéria existente no interior dos encanamentos. De qualquer maneira, enquanto o produto estiver sendo aplicado, “haverá a inibição do crescimento e remoção gradativa das incrustações, e, posteriormente, proteção contra a corrosão”, garante a empresa. O empresário Milton Asato lembra que o sistema aumenta a vida útil das tubulações e promove a valorização dos imóveis. Ressalta ainda que a atuação do produto não interfere sobre os ingredientes químicos empregados pelas concessionárias de saneamento e distribuição para assegurar a potabilidade da água, como o cloro e o flúor, entre outros.

A Acquality atua na Capital e na Grande São Paulo, Baixada Santista e região de Campinas. Segundo Milton, a empresa garante aos clientes um plano de manutenção periódica e especializada e realiza pronto atendimento sempre que solicitada. O empresário ressalva, no entanto, que a injeção do Econox deve ser contínua para que se mantenham os resultados.

SERVIÇO:

Acquality
(11) 5062-0449
www.acquality.com.br
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Matéria publicada na Edição 149 de agosto de 2010 da Revista Direcional Condomínios.