Terça, 10 Dezembro 2019 00:00

Como garantir a saúde e bem-estar dos animais nos espaços pets?

Escrito por 

O Brasil possui mais de 130 milhões de animais de estimação e 50% desta população se concentra na região Sudeste, conforme projeções do Instituto Pet Brasil.

E, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet), o País ocupa o 2º lugar na população de cães, gatos e aves do mundo! É um contingente que cresce em média 5% ao ano, com índice maior no número de gatos (8,1%) em relação ao de cães (3,8%).

Esses dados obrigam a uma reflexão sobre como devemos conviver com os animais de estimação em nossa comunidade, onde é necessário respeitar as regras de convivência e de uso e ocupação do espaço, que também é do outro. Se compararmos ao crescimento populacional brasileiro, que foi de 0,8% em 2019, teremos nas residências cada vez mais animais domésticos e menos crianças. Portanto, a discussão é inevitável nos condomínios.

Os prédios mais novos já contam com espaços especialmente projetados para cães e alguns dispõem inclusive de bancada lavatório, entre outras comodidades. Como o crescimento populacional não atinge apenas os condomínios mais preparados, é necessário pensar em alternativas viáveis para implantação de um espaço apropriado aos animais nas edificações mais antigas, cuja estrutura não estava preparada para este fenômeno. O primeiro passo para viabilizar o projeto é encontrar um local ao ar livre com terra e abastecido com água. O segundo passo é convocar uma assembleia geral com quórum qualificado para aprovação da alteração da destinação de área identificada, onde serão discutidas as necessidades e a regulamentação do uso. Feito isso, é hora de implantar o espaço, considerando a necessidade de garantir:

  • Vegetação rasteira com poucos arbustos e plantas resistentes, que não sejam toxicas nem contenham espinhos;
  • Equipamentos para o exercício dos cães, confeccionados em madeira tratada, pois ficarão expostos à ação do tempo;
  • Ferramentas para coleta de fezes e saquinhos para o seu descarte em lixeira específica a essa finalidade;
  • Ponto de água corrente para hidratação.

Chamados de pet place, pet play, pet garden ou pet walk, entre outras denominações, esses ambientes apresentam inúmeras vantagens:

Para os animais

  • Melhora da sua saúde, pois além de aproveitarem os dias de sol, os pets contam com equipamentos que estimulam a realização de exercícios, o gasto de energia e a redução do estresse e da agitação;
  • Contam com área de hidratação e alimentação, garantindo sua saúde física;
  • Contam com área para necessidades fisiológicas.

Para os donos

  • Promove maior interação com o seu animal de estimação sem que tenham necessidade de sair de casa;
  • Promove maior interação entre vizinhos, reduzindo as reclamações;    
  • Aumenta a segurança, reduz o tempo com deslocamento para áreas verdes fora do condomínio e elimina eventual custo relacionado à atividade.

Para os condomínios

  • Preserva a limpeza das demais áreas comuns;
  • Evita o uso inadequado do playground infantil para essa finalidade (maior reclamação observada hoje em condomínios);
  • Reduz reclamações de latido nas unidades, pois os animais tendem a ficar menos agitados.

Para que as vantagens sejam percebidas, é fundamental elaborar um regulamento específico para esta área, contendo horários para passear e brincar com os animais; obrigatoriedade da coleta de fezes pelo dono do respectivo animal; obrigatoriedade de atualização do cadastro dos animais junto à administração, com cópia da carteira de vacinação, também atualizada.

Em um mercado imobiliário cada vez mais competitivo e com muitas ofertas, um espaço como este tem sido hoje tão importante quanto a piscina, o salão de festas e o playground. Ele pode ainda ser um grande diferencial na hora comercializar um imóvel no condomínio, pois além da valorização patrimonial, muita gente trata seu bichinho de estimação como membro da família.


Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.


Marcio Bagnato

Advogado com Pós-Graduação na área de Negócios Imobiliários, profissional com 28 anos de experiência em administração de condomínios e atualmente Diretor de Condomínios da administradora Habitacional.
Mais informações: marcio@habitacional.com.br.