Quarta, 02 Maio 2018 00:00

Síndico, oriente moradores (3): Dos riscos com carregadores de celulares

Escrito por 

O Brasil tem registrado muitos acidentes com este dispositivo e, somente nos três primeiros meses de 2018, houve pelo menos cinco mortes em decorrência disso.

No artigo passado, eu escrevi sobre a Internet das Coisas (IoT), uma tendência mundial que não tem volta. No artigo eu falei da necessidade de se revisar a instalação elétrica, que é a infraestrutura para os equipamentos funcionarem. Muitos destes equipamentos já estão sendo usados diariamente e os conhecemos bem, são os tablets e smartphones.

Estes dispositivos, ou equipamentos, como queiram, são muito úteis no dia a dia e eu me arrisco a dizer que são necessários (imagino que a geração atual não saiba viver sem eles). Estes equipamentos dependem de um componente para mantê-los funcionando, que são as baterias. A tecnologia destas baterias evoluiu nos últimos anos, mas ainda não as transformaram em infinitas e, portanto, precisam serem recarregadas de tempos em tempos. É sobre este “cara”, o carregador, que quero chamar a atenção. Recentemente tem havido muitos acidentes com este dispositivo e alguns deles levaram a óbito pessoas que estavam manuseando os carregadores e celulares.

Permita-me comentar sobre os riscos que ambos, carregador e bateria, oferecem. O primeiro – carregador – é um dispositivo de transformação de tensão que é ligado na tomada (normalmente 127 ou 220 Volts). Ele transforma a tensão na ponta do cabo, que vai ligado ao celular ou tablet, em aproximadamente 5 volts. Se formos avaliar a possibilidade de um choque elétrico em um dispositivo com 5 Volts, veremos que não há risco. Porém, este dispositivo é ligado na tomada com tensões perigosas como 127 ou 220 volts. Foi neste ato de ligar ou desligar que muitas pessoas acabaram perdendo a vida (só de janeiro a março deste 2018 já fiquei sabendo de 5 mortes). Das mortes ocorridas, em que tomei conhecimento pelo noticiário, o que pude observar é que a maioria usava extensão ou benjamins (TE´s) ou ligou o dispositivo em tomadas danificadas e com partes energizadas expostas. Em um deles, se mostrou que o carregador estava danificado e apresentando partes energizadas. Então, todo cuidado é pouco, com as instalações e com os dispositivos carregadores. NUNCA deixe crianças ligarem ou desligarem este dispositivo na tomada, peçam que chamem um adulto.

Riscos com o uso do celular

No caso do celular, há dois problemas para os quais chamo sua atenção: O primeiro é o de falar ou usar o tablet ou smartphone com ele carregando, pois há risco de choque elétrico, por falhas no equipamento ou condições da instalação elétrica. O segundo é que a bateria pode sofrer um aquecimento acima do normal e então explodir, ou se incendiar. Em ambos os casos o risco será grande, então a única forma de se proteger é evitar as condições citadas. Dispositivos carregadores PIRATAS oferecem maior risco, pois normalmente não atendem aos requisitos de segurança e de qualidade.

Em resumo. Todo cuidado com carregadores e o uso de celulares é pouco!


Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.

Edson Martinho

Engenheiro Eletricista, é diretor-executivo da Abracopel (Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade). Professor, palestrante e articulista. Escreveu e publicou o livro "Distúrbios da Energia Elétrica" (Editora Érica, 2009)
Mais informações: edson@lambdaconsultoria.com.br