Segunda, 08 Fevereiro 2021 00:00

Síndico profissional ou orgânico, qual o perfil mais adequado para o condomínio?

Escrito por 

Independentemente se orgânico ou profissional, o síndico precisa atuar junto com o conselho, ser transparente, seguir a Convenção e o Regimento Interno, buscar resultados para o todo, e comunicar as suas ações aos condôminos diariamente. Do contrário, sua omissão poderá trazer o caos ao condomínio.

Já é praxe que no dia da assembleia de eleição de síndico ninguém apareça na reunião, afinal, é visto como um abacaxi assumir tantas responsabilidades, além de poder haver tumultos e falta de consciência coletiva, o que costuma acontecer nessas reuniões. Para alguns a desculpa é: "Não tenho tempo, é mais uma coisa no dia a dia, não é possível assumir mais essa função" (...). Então, a opção de alguns condomínios é contratar um síndico profissional na esperança de trazer solução para a comunidade.

O trabalho de síndico profissional tem crescido a cada dia, muitos cursos são oferecidos no mercado, presencias ou online, alguns são excelentes, mas outros bem incompletos. Além disso, é importante este candidato ter um perfil diferenciado para lidar com conflitos que irão surgir. Há cursos que prometem emprego imediato, mas não é bem assim, muitas outras características são fundamentais para este candidato.

Com a quantidade de edifícios, ainda mais na cidade de São Paulo, é uma nova profissão que está atraindo muita gente, mas estar preparado é fundamental, pois os edifícios, podemos dizer, representam pequenas empresas a serem administradas.

A maneira que cada síndico irá administrar este imenso patrimônio, que envolve inúmeras famílias, tem que estar obrigatória e diretamente ligada ao todo e não a interesses pessoais.

Mas como seria esta dedicação que assusta tanta gente? Em alguns edifícios, os síndicos fazem apenas uma visita por semana; outros condomínios precisam de mais frequência, vai depender de muitos fatores para se tomar esta decisão, alinhada com o conselho e com a demanda do edifício, é claro. O que não dá para admitir, e o conselho precisa estar atento, é com as pastas de prestações de contas que atrasam muito, com síndicos turistas e desatentos. O conselho precisa estar acompanhando as demandas do síndico.

Infelizmente, tem alguns candidatos à vaga de síndico que querem o cargo apenas para serem isentos da taxa condominial ou os profissionais que querem garantir uma renda a mais e assumir muito mais edifícios do que cabem na agenda e na logística.

Com isso, seja ele orgânico ou profissional, o síndico acaba tendo pouco tempo de dedicação a uma função tão importante que envolve muitas pessoas, como moradores, funcionários e prestadores de serviços. Esta falha e falta de dedicação tem como resultado edifícios visualmente largados, com inúmeros conflitos entre os moradores e a equipe de trabalho, e, administrativamente, com taxas condominiais altíssimas, alguns ainda com dívidas junto à administradora e em suas obrigações. Vivi isso na pele num condomínio onde comprei um apartamento. Em poucos meses percebi a confusão financeira, o edifício estava em débito, a taxa condominial só subindo, junto com os conflitos.

Um síndico ausente, desalinhado com o conselho e somado a uma administradora omissa gera uma má gestão e o aumento da insatisfação generalizada, provocando, inclusive, mais atrito entre os condôminos e sua equipe de trabalho.

Quando me vi no meio do fogo cruzado, resolvi me candidatar e fazer parte do conselho, afinal, é meu patrimônio que estava sendo administrado por um incompetente ou folgado. A solução foi mostrar para as pessoas que aquele não era apenas meu patrimônio, mas de outras 59 famílias. A solução foi nos unirmos, entender o tamanho do buraco, para assim tomarmos decisões importantes. Respiramos fundo e começamos a agir, e uma das ações foi destituir o síndico e escolher outra administradora. Foi um trabalho de formiguinha para colocar a casa em ordem, melhorar a saúde emocional das famílias e profissionais que ali estavam diariamente.

É importante que o síndico respeite o conselho, ele deve ser transparente, seguir a Convenção e o Regimento Interno, fazer reuniões com o conselho e documentá-las no site. Querer trazer resultados para o todo, comunicar aos condôminos diariamente, semanalmente ou mensalmente com circulares, seja via aplicativos de mensagens instantâneas, pelo site ou protocoladas, mas informar sempre quais foram suas ações, o que está acontecendo no condomínio, entregando uma administração transparente; este é o perfil procurado, seja ele orgânico ou profissional.

Para isso tudo acontecer, ele tem que ter ainda muitas características importantes. Uma delas é estar disposto a entender a dinâmica e as expectativas dos condôminos. Conhecer o edifício que está assumindo, suas dores, seus conflitos, estar presente. Estar aberto para ouvir, saber lidar com pessoas difíceis, convidar os condôminos a participar e encontrar a solução e, o principal, ter inteligência emocional. Entender e ter uma equipe de trabalho focada, que também o escute e com o mesmo objetivo, que é o bem do todo. Tem que ser comunicativo e conciliador, além de conhecer legislações e uma maneira de administrar que tenha pleno conhecimento das despesas e receitas do condomínio.

Cada prédio tem sua particularidade, o síndico, sendo orgânico ou profissional, tem que se dedicar e escanear tudo o que está acontecendo diariamente, com a ajuda de planilhas, aplicativos, divisão de responsabilidades com ações baseadas em legislações e normas regulamentadoras, com o objetivo de trazer transparência e satisfação ao morador. Com isso tudo, o síndico consegue realizar uma administração de excelência.

Como observamos no início deste artigo, o contrário disso é a omissão, que poderá gerar caos no prédio, seja pela via do síndico orgânico ou profissional. Ambos são adequados, vai depender de seu comprometimento, o quão estão interessados em promover segurança, transparência e bem-estar, em entregar como resultado a Conservação e Valorização do Patrimônio que administram.


Não reproduza o conteúdo sem autorização do Grupo Direcional. Este site está protegido pela Lei de Direitos Autorais. (Lei 9610 de 19/02/1998), sua reprodução total ou parcial é proibida nos termos da Lei.


Cristiane Bittencourt Reis

Síndica orgânica há cinco anos no Edifício Ilha de Guadeloupe, na Vila Madalena, em SP, tem formação em síndica profissional pela Gabor RH. É graduada em Comunicação Social, com MBA em Recursos Humanos pela USP e educação continuada em Finanças, RH e Administração pela FGV. Tem 20 anos de experiência na área administrativa em empresa privada e é sócia da Ruffino & Alvim Empreendimentos e Administração de Imóveis. Possui ainda cursos de Gestão em Qualidade de Vida pela FEA-USP PROGEP, Administração de Conflitos e Qualidade Máxima no Atendimento ao Cliente, os dois últimos pelo Sebrae.
Mais informações: cristianesindica@hotmail.com