E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

O ano de 2019 tem avançado tão rápido que já estamos falando dos preparativos para as festas de Natal. Porém, antes disso, no próximo mês de outubro, teremos em muitos condomínios as celebrações do Dia das Crianças e/ou Halloween, já consolidados em seus calendários. Em um dos prédios residenciais que administro e onde moro, o Plaza Athenee, em São Caetano do Sul, o nosso foco em outubro será o Halloween.

Adoro chegar ao final do ano com saúde e celebrando o fechamento de mais uma jornada através da confraternização entre os condôminos.

Todo condomínio possui regras internas, definidas pela Convenção (como uma espécie de Lei geral voltada a proteger o patrimônio de todos) e pelo Regimento Interno (como normas de uso dos espaços comuns, por exemplo). O síndico não inventa nada, ou não deveria! Se houver necessidade de revisão e/ou atualização das leis do condomínio, ele deve levar essa demanda para conhecimento e deliberação da assembleia.

Cachorro é igual a filho, precisamos educar!!! Sempre tive essa opinião em minha experiência como síndica e, agora, depois que resolvi criar um pug, minha posição foi reforçada. Quando eu era solteira e morava em casa, tínhamos um pastor alemão, mas quase não havia contato com ele, que ficava no quintal. Depois que me casei e mudei para um apartamento, jamais pensei em criar um cachorro, achava, por exemplo, que isso poderia gerar desconforto com as visitas, meus filhos... E como desde 1998 exerço o cargo de síndica nos prédios em que morei e até como profissional, me deparei com inúmeras reclamações de condôminos quanto a mau cheiro, latidos, cachorro andando no chão etc. etc.

Já dissemos neste espaço que um dos focos de minha gestão nos condomínios é buscar a união entre todos moradores, estreitando os laços e ajudando a criar uma identificação com o lugar, seus espaços, suas normas e pessoas. A estratégia contribui sobremaneira para semearmos um ambiente de respeito mútuo, não apenas entre os condôminos, mas desses para com os funcionários. É caminho, também, para disseminarmos de forma natural um cuidado maior de todos para com os nossos equipamentos.

Em nosso texto anterior, falamos dos preparativos do Condomínio Plaza Athenee, recém-implantado, para definir um Regimento Interno mais adequado à sua realidade e às demandas dos condôminos. A assembleia foi muito sossegada, aconteceu no mês de março. As sugestões dos moradores foram recebidas até uma semana antes da data da reunião, elas foram organizadas e apresentadas para o conjunto dos proprietários, discutidas e aprovadas. Entre elas, destaco a definição de um limite do número de pessoas que o salão de festas deverá receber para um uso confortável; o valor da taxa de sua locação; e a liberação do acesso de carros de visitantes, sob condições, em nossas garagens.

Iniciaremos o mês de março trabalhando pela aprovação do Regulamento Interno do Condomínio Plaza Athenee, através da convocação de uma assembleia de condôminos. Como vocês sabem, o Plaza é um condomínio novo, recém-implantado, onde resido agora e me tornei sua primeira síndica.

Os leitores da Direcional Condomínios já devem ter visto, em algumas oportunidades, minha contribuição a reportagens publicadas nos últimos anos pela revista. Principalmente meu trabalho à frente do Condomínio Piazza Di Toscana, na região do Jardim Avelino, zona Leste de São Paulo, onde residi por 10 anos e 2 meses e permaneci síndica desde sua implantação até o final do ano passado (Confira reportagem sobre esse trabalho no site da Direcional, consultando os links http://bit.ly/1Cbnwio e http://bit.ly/1yq5DVL).