E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

O engenheiro da área de segurança, Ayrton Barros, se depara com inúmeras inadequações nas instalações elétricas dos condomínios, geradas principalmente pelo serviço de mão de obra não qualificada. A seguir, o especialista apresenta um balanço dos problemas mais frequentes, especialmente em prédios ocupados há pelo menos 20 anos.

O Estado de São Paulo possui uma legislação rígida de prevenção e combate ao fogo, que deve ser seguida pelos responsáveis das edificações de diferentes perfis, entre elas, os condomínios. É o Decreto Estadual 56.819/11, o qual é seguido por dezenas de Instruções Técnicas baixadas pelo Corpo de Bombeiros do Estado. Além disso, o Brasil dispõe de inúmeras normas técnicas de segurança e especificações mínimas determinadas por órgãos como a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) e o Inmetro, entre outros. Com base em todo esse corpo normativo e legal, o engenheiro de perícias e segurança do trabalho, Ayrton Barros, desenvolveu o guia publicado a seguir.

Os síndicos dispõem de vários instrumentos legais para coibir o uso de fogos de artifício nos condomínios, seja nas áreas comuns ou nas próprias unidades. Vamos destacar aqui algumas delas.