CNPJ: Essencial para os Condomínios

CNPJ: essencial para os condomínios. Entenda a importância do CNPJ e o que fazer caso o condomínio não esteja legalizado.

Condomínio sem CNPJ é praticamente como um cidadão sem CPF ou RG. A inscrição no CNPJ (Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica) é fundamental para o condomínio existir de fato e poder manter relações com terceiros. “Podemos dizer que o condomínio que não tem CNPJ não tem uma personalidade perante terceiros. Ainda que seja um condomínio para quem mora, pois possui área comum, área privativa e o dia a dia de um condomínio, não possui meios de estar vivo frente a terceiros e assim ter relações com outras pessoas naturais, físicas ou jurídicas”, expõe o advogado e consultor jurídico condominial Cristiano De Souza Oliveira.

Segundo José Roberto Graiche, presidente da Associação das Administradoras de Bens Imóveis e Condomínios de São Paulo (AABIC), ainda que não caracterizados como pessoas jurídicas, os condomínios edilícios, sujeitos à incidência, à apuração ou ao recolhimento de tributos federais administrados pela Receita Federal do Brasil (RFB), estão obrigados a se cadastrar no CNPJ (Instrução Normativa RFB 748/2007, artigo 11). “Com efeito, qualquer condomínio que contratar empregados é obrigado a possuir registro no CNPJ, pois a folha de pagamento de salários é sujeita à incidência do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF). Igualmente, para se efetuar o recolhimento do PIS, é necessário o lançamento do CNPJ do condomínio”, afirma. 

O advogado Cristiano completa que, além da questão de contratação de funcionários, outras atividades do condomínio exigem o CNPJ, desde uma simples abertura de conta em banco até a compra de produtos ou contratação de prestação de serviços. “O CNPJ estaria para o condomínio como o CPF, o RG, a Carteira de Trabalho e o PIS estão para as pessoas físicas, pois não basta a certidão de nascimento, ou seja, a instituição e a convenção de condomínio. Há que se ter o registro perante os órgãos públicos para começar a existir e ter sua emancipação, podendo daí por diante manter relações jurídicas com terceiras pessoas”, define Cristiano. 

Além disso, o CNPJ é necessário para que o condomínio cumpra suas obrigações tributárias. Vale lembrar que desde janeiro de 2009, de acordo com a Lei 14.865/08, os condomínios da cidade de São Paulo passaram a ser responsáveis pela retenção do ISS na fonte, referente a notas fiscais de serviços específicos. Para tanto, é necessária a inscrição no Cadastro de Contribuintes Mobiliários – CCM, para o que, mais uma vez, é preciso o CNPJ do condomínio. “Assim, torna-se imprescindível a inscrição do condomínio no CNPJ, pois, do contrário, o mesmo estará impossibilitado de efetuar a retenção e não terá como recolher os valores à Receita Federal e/ou à municipalidade, o que poderá ocasionar penalidades por parte da fiscalização por descumprimento à norma legal, podendo, inclusive, ser obrigado a recolher os valores que deveria ter retido e não o fez”, sustenta Graiche, presidente da AABIC. 

Ou seja, para que o condomínio possa cumprir com usas obrigações, o CNPJ é essencial. “O CNPJ possibilita que os condomínios tenham uma identidade jurídica. É imprescindível para que o condomínio atenda às exigências fiscais e procedimentais advindas, por exemplo, da contratação de funcionários, caso da retenção de IR e recolhimento do PIS. Além disso, o CNPJ permite que o condomínio faça a expedição do boleto para recolhimento da taxa condominial”, completa Graiche.

Mas, se o condomínio não possui CNPJ o que fazer para regularizá-lo? A AABIC orienta quanto ao passo a passo necessário:

1º) expedição do Habite-se (pela construtora/ incorporadora);

2º) inscrição das escrituras definitivas das unidades no Cartório de Registro de Imóveis;

3º) solicitar o desmembramento do IPTU por unidade;

4º) elaboração da Convenção, com assinatura de proprietários de no mínimo 2/3 das frações ideais do condomínio (art. 1.333 do Código Civil);

5º) convocação da primeira Assembléia para eleição de síndico e conselho consultivo;

6º) registro do condomínio no Cartório de Registro de Imóveis, juntamente com a Convenção;

7º) inscrição do condomínio no CNPJ, que torna automática a inscrição no INSS (esta é necessária para o condomínio ser empregador).

Graiche complementa que para fazer a inscrição do condomínio no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ), é necessário instalar no computador dois programas: um contendo a ficha de inscrição (PGD-CNPJ) e outro, chamado de ReceitaNet, para enviar tal documento para a Receita Federal. Os dois programas são obtidos na página da Receita Federal na Internet (www.receita.fazenda.gov.br). O presidente da entidade recomenda que a inscrição no CNPJ seja providenciada o quanto antes para evitar problemas futuros, resguardando, ainda, a responsabilidade dos síndicos. “Levando-se em conta que o síndico é o mandatário legal da massa condominial, a ele cumpre zelar pela regularidade dos condomínios, em obediência aos ditames legais. O síndico, como contribuinte, deve estar em dia com a Receita Federal e o nome que consta na ata de eleição deve ser o mesmo que consta na Receita”, informa. Para que ocorra a inscrição no CNPJ é necessário que o CPF do síndico conste como responsável junto à Fazenda Nacional. É importante ressaltar que, havendo qualquer modificação na representação legal do condomínio, o seu cadastro no CNPJ deverá ser atualizado.

Graiche frisa ainda que a não realização, pelo síndico, da inscrição do condomínio no CNPJ poderá inviabilizar as atividades condominiais inerentes à regular gestão administrativa, ocasionando prejuízos para o condomínio. “Nesse caso, comprovando-se a responsabilidade do síndico pelos prejuízos sofridos, ensejará uma ação de indenização com fundamento na responsabilidade civil (artigos 186 e 927 do Código Civil)”, diz. Se, em decorrência da não inscrição no CNPJ o condomínio deixar de recolher tributos, estará sujeito a fiscalização e eventual imposição de multa. “Considerando o não pagamento dos respectivos tributos e o consequente início de um processo judicial, e provada a omissão do síndico como representante condominial, este poderá, ainda, sofrer constrição em seu patrimônio pessoal. Por fim, cumpre ressaltar a importância e a seriedade com que o síndico deve desempenhar suas funções na gestão condominial, a fim de evitar qualquer responsabilidade por eventual descumprimento legal”, afirma o presidente da AABIC.

Cristiano De Souza orienta ainda que, até que promovam a regularização de sua situação, os condomínios irregulares têm outra saída: a criação de associação de moradores. “Essa associação deve ter em seus estatutos os objetivos claros, ou seja, substituir provisoriamente as funções do condomínio legalizado. Nesses casos, aconselho um cuidado redobrado e muito mais atenção, contando com advogados que conheçam a matéria para que acompanhem o trâmite”, adverte.
 
Por Luiza Oliva 

Matéria publicada na Edição 134 de abril de 2009 da Revista Direcional Condomínios.

Leia também:

Como nasce um condomínio

Documentação do condomínio

Fornecedores:

- Advocacia

Adriana Jazzar

Geógrafa graduada pela PUC de São Paulo com MBA em Gestão Ambiental e Mestre em Tecnologia Ambiental pelo IPT. Leia artigos

Ana Luiza Pretel

Advogada, administradora de empresas, palestrante, professora universitária. Leia artigos

Cristiano de Souza Oliveira

Advogado e consultor Jurídico na área condominial,sócio consultor da DS&S Consultoria e Treinamento Condominial. Leia artigos

Edson Martinho

Engenheiro Eletricista, presidente da ABRAEL e diretor-executivo da Abracopel. Leia artigos

Hernán Vilar

Psicólogo graduado pela UMESP e Pós- Graduado em Administração de Empresas pela FGV. Leia artigos.

Luís Renato Mendonça Davini

Graduado em Ciências Jurídicas pela Universidade São Francisco, o delegado Luís Renato é consultor de segurança da Asertec. Leia artigos.

Kelly Remonti

É síndica Condomínio Top Village, localizado em Alphaville, Grande São Paulo. Leia artigos.

Michel Rosenthal Wagner

Advogado, membro técnico das vice-presidências de Sustentabilidade e de Administração Imobiliária e Condomínios do Secovi em São Paulo. Leia artigos

Nelson Luiz Raspes

Psicólogo com formação em Dependência Química. Atua há treze anos junto ao Centro de Tratamento Bezerra de Menezes. Leia artigos

Paulo Caldas Paes

Advogado formado pela Universidade Paulista (UNIP) e autor de diversos artigos jurídicos na área imobiliária. Leia artigos

Ricardo Karpat

Diretor da Gábor RH, Administrador de Empresas, com experiência de 12 anos no segmento de condomínios. Leia artigos

Roberto Boscarriol Jr.

Graduado em Engenharia pelo Instituto Mauá de Tecnologia. Formado em 1972

Roberto Flores Freitas

Oficial da Reserva da Polícia Militar do Estado de São Paulo; Sócio-proprietário do Grupo Alpha Serviços

Rodrigo Karpat

Advogado e especialista em Direito Imobiliário e administração condominial. Leia artigos

Rosely Benevides de Oliveira Schwartz

É autora do livro Revolucionando o Condomínio, professora do curso de Administração de Condomínio ministrado pela EPD. Leia artigos

Cadastre-se e receba nossos informativos