A convenção do condomínio

O INÍCIO

A convenção deve servir de mapa para que o síndico administre bem o condomínio. Seguindo uma hierarquia de leis, no topo está a Constituição Federal, seguida pelo Código Civil (agrupamento de normas que regulam as relações privadas da sociedade), da lei 4591/64 (conhecida como lei dos condomínios), e finalmente a convenção e o regulamento interno do condomínio. Portanto, nem a convenção nem o regulamento podem contrariar a legislação vigente no país.

A convenção, por definição, regulamenta a administração e as relações entre os condôminos. O documento é registrado em cartório de imóveis. Todo morador deve ter uma cópia da convenção do seu condomínio. Uma cópia autenticada original deve ficar com o síndico e para os condôminos bastam cópias comuns. Moradores novos, que não tenham recebido a convenção da administração ou do antigo proprietário, podem solicitar uma cópia no cartório onde o texto foi registrado. 

Geralmente, o documento é entregue na primeira assembléia, quando é implantado o condomínio. Nessa assembléia inaugural elege-se o primeiro síndico e aprova-se a convenção feita pela construtora. O ideal, segundo a administradora de empresas e consultora na área de condomínios Rosely Benevides de Oliveira Schwartz, seria que a construtora entregasse a convenção no ato da compra do apartamento, mesmo nos casos de compra na planta, para que o morador tivesse tempo de analisá-la. “A minuta da convenção consta da documentação do prédio desde seu início e é uma exigência da lei 4591/64”, afirma. 

Na prática, ainda conforme Rosely, as convenções acabam padronizadas pelas construtoras. O mesmo texto é usado para muitos condomínios, alterando-se apenas dados como metragem dos apartamentos, por exemplo. A convenção, explica a consultora, deve atender as especificidades de cada edifício. “O síndico acaba assumindo um prédio com uma convenção cheia de problemas, quando ela deveria servir de auxílio à sua administração”, conclui.

PRINCIPAIS ITENS

Apesar das peculiaridades de cada condomínio, certos tópicos costumam fazer parte da maioria das convenções:

- Discriminação da área que cada um possui em metros quadrados (tanto da parte comum como da autônoma).

- Porcentagem de fração ideal a que cada um tem direito à área de terreno. Entende-se que fração ideal é a parte que não é possível dividir das áreas comuns e do terreno, proporcional à unidade autônoma de cada condômino.

- Formas de convocação, quoruns exigidos e competência das assembléias.

- Mandato e atribuições do síndico, conselho e subsíndico.

- Penalidades para os condôminos ou possuidores que não cumprirem com as determinações da convenção e do regulamento interno.

Qualquer alteração a ser feita na convenção precisa da aprovação de 2/3 dos condôminos.

REGULAMENTO INTERNO

O dia-a-dia do condomínio é regido pelo regulamento interno. Nele constam as normas de conduta que moradores, visitantes e funcionários devem respeitar para garantir a boa convivência no condomínio (por exemplo, as regras para o uso das áreas comuns, como piscina e salão de festas). Pelo novo Código Civil, o regulamento não deve mais ser um documento apartado da convenção, mas fazer parte dela. As alterações no regulamento também precisam da aprovação de 2/3 dos condôminos.

QUANDO MUDAR A CONVENÇÃO

Convenção e regulamento interno não são eternos e precisam de alterações periodicamente. Principalmente com a entrada em vigor do Novo Código Civil, em janeiro/2003, que trouxe uma série de modificações na legislação, é necessário que os condomínios adequem suas convenções.

Veja abaixo alguns exemplos do que precisa ser alterado, em razão do Novo Código Civil:

- Multa devido a atraso no pagamento do condomínio, que era de até 20% caiu para 2%.

- Multa de até cinco vezes o valor da taxa condominial para infratores reiterados.

- Locação/venda da garagem.

- Definição do "comportamento anti-social".

- etc...

É fundamental que o trabalho de revisão da convenção seja feito em parceria com a administradora, com a participação dos moradores e a orientação de um advogado especializado.

Foi o que ocorreu no Condomínio Edifício Saint Paul Ville. O síndico Paulo Sérgio Romani levou o advogado Michel Rosenthal Wagner para fazer uma palestra na assembléia, mostrando as necessidades das alterações. A assembléia, então, aprovou a mudança. Uma comissão de quinze moradores passou a se reunir quinzenalmente para avaliar a minuta apresentada pelo advogado e sugerir mudanças. Seis meses depois e com o texto final pronto, Paulo enviou aos moradores uma circular comunicando que a nova convenção estava pronta. “O texto tem mais de 30 folhas e o regimento interno foi incorporado à convenção. Para os moradores que se interessaram, enviei a convenção via e-mail”, explica o síndico. Chegou a hora de recolher as assinaturas dos condôminos, já que é preciso 2/3 de aprovação para alterar a convenção. “O zelador é peça fundamental nessa etapa do trabalho. Temos muitos proprietários que moram no interior, além de apartamentos que ainda pertencem à construtora”, diz.

Apesar da dificuldade em recolher as assinaturas e da resistência às mudanças encontrada em muitos condôminos, Paulo afirma que as alterações são necessárias. “Adaptamos as multas estipuladas pelo novo Código Civil ao nosso condomínio. Por exemplo, determinamos que se o condômino atrasar o pagamento do condomínio quatro vezes por ano, ele pode receber uma multa de cinco vezes o valor da taxa condominial”, comenta. 

Além das multas, a nova convenção se preocupou com o relacionamento entre os moradores e criou o Conselho de Qualidade de Vida, que cuidará da reciclagem do lixo, de cursos para os funcionários e de atividades de lazer. Segundo o advogado Michel, quando se percebe que a convivência no condomínio não é saudável, é hora de mexer na convenção. “O texto final da convenção deve regulamentar e incentivar o uso das áreas comuns. Em prédios com muitos jovens, por exemplo, pode-se criar um conselho juvenil e estimular a criação de grupos de esportes”, exemplifica.
 

Matéria publicada na edição Nº 67 em agosto de 2003 da Revista Direcional Condomínios.

Empresas de Advocacia

Banner

Empresas Administradoras:

Banner
Banner
Banner

Adriana Jazzar

Geógrafa graduada pela PUC de São Paulo com MBA em Gestão Ambiental e Mestre em Tecnologia Ambiental pelo IPT. Leia artigos

Ana Luiza Pretel

Advogada, administradora de empresas, palestrante, professora universitária. Leia artigos

Cristiano de Souza Oliveira

Advogado e consultor Jurídico na área condominial,sócio consultor da DS&S Consultoria e Treinamento Condominial. Leia artigos

Edson Martinho

Engenheiro Eletricista, presidente da ABRAEL e diretor-executivo da Abracopel. Leia artigos

Hernán Vilar

Psicólogo graduado pela UMESP e Pós- Graduado em Administração de Empresas pela FGV. Leia artigos.

Luís Renato Mendonça Davini

Graduado em Ciências Jurídicas pela Universidade São Francisco, o delegado Luís Renato é consultor de segurança da Asertec. Leia artigos.

Kelly Remonti

É síndica Condomínio Top Village, localizado em Alphaville, Grande São Paulo. Leia artigos.

Michel Rosenthal Wagner

Advogado, membro técnico das vice-presidências de Sustentabilidade e de Administração Imobiliária e Condomínios do Secovi em São Paulo. Leia artigos

Nelson Luiz Raspes

Psicólogo com formação em Dependência Química. Atua há treze anos junto ao Centro de Tratamento Bezerra de Menezes. Leia artigos

Paulo Caldas Paes

Advogado formado pela Universidade Paulista (UNIP) e autor de diversos artigos jurídicos na área imobiliária. Leia artigos

Ricardo Karpat

Diretor da Gábor RH, Administrador de Empresas, com experiência de 12 anos no segmento de condomínios. Leia artigos

Roberto Boscarriol Jr.

Graduado em Engenharia pelo Instituto Mauá de Tecnologia. Formado em 1972

Roberto Flores Freitas

Oficial da Reserva da Polícia Militar do Estado de São Paulo; Sócio-proprietário do Grupo Alpha Serviços

Rodrigo Karpat

Advogado e especialista em Direito Imobiliário e administração condominial. Leia artigos

Rosely Benevides de Oliveira Schwartz

É autora do livro Revolucionando o Condomínio, professora do curso de Administração de Condomínio ministrado pela EPD. Leia artigos

Cadastre-se e receba nossos informativos