Animais de estimação: moradores muito especiais

É inevitável: cães e gatos ocupam lugar de destaque em inúmeras residências brasileiras. Mas, nos condomínios, eles também devem seguir regras de convivência.

Quando assumiu o cargo de síndica num edifício com 28 apartamentos no bairro do Paraíso, Denise Sahyun Levy percebeu que precisava disciplinar o trânsito dos cachorros pelo condomínio. Os maiores problemas eram o transporte de animais pelo elevador social e sujeira pelas áreas comuns. Denise teve o cuidado de levar o tema para uma assembleia – “Nada de ditadura”, comenta – e hoje comemora a convivência pacífica com os cães e seus proprietários. “Temos sete apartamentos com cachorros aqui. E os cachorros, desde que convivendo dentro das normas, são muito bemvindos em nosso prédio!”. Os pets passaram a usar apenas o acesso de serviço (entrada e elevador de serviço) e não se vê mais sujeira deles pelos jardins, elevadores e halls. “Agora, 100% dos proprietários respeitam as regras.” A poodle Mel, de seis anos, é um dos exemplos de cães que convivem em harmonia com a comunidade condominial. Sua proprietária, Monica Antoniazzi, vizinha da síndica Denise, conta que o bichinho está acostumado a fazer suas necessidades no jornal, não late e não sai com frequência para passear. “Como não gosto que ela faça xixi pela minha casa, também não deixaria que ela fizesse pelo prédio. Acredito que se o cachorro causa algum transtorno, o responsável é o morador que o conduz pela coleira. Se ela fizer xixi fora do lugar, vou assumir e avisar o faxineiro”, admite. Mas Monica considera Mel quase “imperceptível”. A síndica Denise complementa: “Mel está sempre arrumada e limpinha, e se comporta como uma lady.” É claro que nem todos os cães – e seus donos – se comportam como Mel e Monica. Sujeira nas calçadas, nas áreas comuns, animais soltos pelo prédio, cachorros de raças que podem se tornar violentos sem focinheiras são situações enfrentadas por síndicos no dia a dia dos condomínios. 

Para a advogada Evelyn Roberta Gasparetto, é esperado que os animais convivam de forma tranquila com os moradores. “Muitas convenções de condomínios proíbem a existência de animais. Entendo que este assunto deve ser tratado em regimento interno, que tem uma mobilidade maior para as alterações da vida cotidiana. No entanto, existindo a proibição em convenção, ela pode ser alterada, precisando ser cumprido, no entanto, o quórum respectivo para a alteração, que é de 2/3 das frações ideais.”

Evelyn frisa que para que esta alteração ocorra, além do cumprimento do quórum, a convocação tem que estar explícita quanto à alteração a ser feita, sob pena de anulação da votação. Para a advogada, diante da crescente demanda por animais domésticos, o condomínio deve atualizar o seu regulamento, não deixando dúvidas quanto ao assunto. “E caso o dono do animal não haja de acordo com as normas de segurança e boa vizinhança, o síndico deve advertilo por escrito. Se, mesmo assim, o morador não modificar a sua atitude, o condomínio pode aplicar-lhe multa, de acordo com o que determina a sua convenção ou regimento”, completa. No caso de ocorrências envolvendo inquilinos e seus animais de estimação, Evelyn orienta que o proprietário do apartamento deve ser comunicado do ocorrido. “O proprietário pouco pode fazer para solucionar a pendência, a não ser colaborar com o condomínio para que se dê um fim àquela situação. Não há qualquer lei que determine a atitude do proprietário, no entanto, ele pode colaborar com o condomínio de várias formas: notificando o inquilino, marcando reunião para ouvir o que ele tem a dizer, e ainda comunicar à administradora ou imobiliária, para que todos em conjunto possam solucionar a situação. O que se deve buscar é a solução, e não a aplicação de culpa para um ou para outro. Na verdade, a intenção é que se viva em paz e harmonia com os demais moradores.” Harmonia certamente é a busca constante dos síndicos. Ester Aizenstein é síndica há oito anos de um condomínio em Moema. Administrar conflitos, acredita Ester, é uma tarefa cotidiana do síndico. Ela reconhece que as discussões e reclamações acontecem muitas vezes pelos menores motivos. “Um cachorro latindo já é motivo de briga”, diz. É claro que Ester procura ser rígida no cumprimento das normas internas, especialmente no que diz respeito aos animais. Se o cão faz sujeira nas áreas comuns, a síndica conversa com o morador e costuma ter sucesso. “Um cachorro fazia xixi do lado de dentro do portão do condomínio toda vez que saía para passear. Pedi ao proprietário que o pegasse no colo até a calçada, e nunca mais tivemos problemas. Há casos em que é preciso advertir, como a proprietária de três bassets que ficavam trancados na varanda. A moradora saía o dia todo para trabalhar e não sabia da atitude da empregada. Ela acabou trocando de empregada.” Mas a situação mais inusitada que Ester já viveu envolvendo animais no condomínio foi um problema de relacionamento entre dois cães vizinhos. Uma moradora tem um filhote de sharpei, e outra, um cachorro de porte pequeno. A segunda alegava que a primeira deixava a porta da área de serviço aberta e o filhote poderia machucar seu cãozinho. “Felizmente, as duas chegaram a um acordo: os cães são mansos, mas não descem mais juntos no elevador. As pessoas precisam saber conviver em condomínio”, diz a síndica. 

Animais silvestres em condomínios: é legal?
Nem só de cães e gatos vivem os condomínios. Há peixinhos, passarinhos, e até outros animais silvestres, menos comuns, morando em edifícios como animais de estimação. A questão é complexa pois envolve a lei ambiental vigente no País. A Lei 9.605/98, conhecida como Lei de Crimes Ambientais, prevê como crime não apenas a caça, a captura e o comércio de animais silvestres, mas também a manutenção em cativeiro.

Vincent Kurt Lo, biólogo e analista ambiental da pisão Técnica e de Fauna da Superintendência do Ibama no Estado de São Paulo, explica que animais silvestres brasileiros são os nativos que ocorrem naturalmente no país, e estes são os protegidos pela lei (art. 29 da Lei 9.605/98). “A definição de silvestre, portanto, não considera se o animal está manso, isto é, domesticado. Continua sendo silvestre, por definição da espécie. Por sua vez, animais domésticos são as espécies que foram selecionadas para uso ou interação com o ser humano. Da mesma maneira, são domésticas por definição, mesmo se forem mansas ou bravas. Uma jibóia, por exemplo, mesmo mansa ou ‘domesticada’, continua sendo silvestre.” O Anexo I da Portaria 93/98 do Ministério do Meio Ambiente lista os animais considerados domésticos, entre eles, coelho, canário-do-reino ou canário-belga, porquinho da índia, hamster, calopsita, além dos óbvios cães e gatos. Espécies exóticas, isto é, provenientes de outros países (e que não ocorrem no Brasil), se não forem domésticas, também devem ter documento de origem legal e autorização de entrada no país, explica o biólogo do Ibama. “Portanto, uma cacatua, uma cobra píton, uma girafa ou um elefante devem ter autorização para entrada no país, após avaliação. Se não tem, o proprietário deve ser autuado.”

No caso dos condomínios, se o síndico tem conhecimento de que há um animal silvestre em cativeiro em alguma unidade, o fato deve ser denunciado às autoridades ambientais, caso da Polícia Ambiental ou Ibama. A menos que o proprietário comprove a aquisição do animal em criadouros comerciais registrados pelo Ibama. São animais reproduzidos em cativeiro, com acompanhamento técnico e com regras para a comercialização – entre elas, a exigência de ser fornecido manual de orientações ao novo proprietário sobre os cuidados a serem tomados com o animal. “Se não há documentos, significa que esse animal foi traficado. Algumas espécies, como papagaios, araras e saguis, podem ser adquiridas legalmente, com nota fiscal, de criadouros legalizados. O síndico deve verificar a situação do animal.” Para denúncias de animais irregulares, a Polícia Ambiental do Estado de São Paulo possui o disque ambiente: 0800-113560, de 2ª a 6ª feira, das 7 às 19h. O Ibama atende pelo 0800-618080.

O analista do Ibama complementa que o síndico deve denunciar a presença de animais silvestres irregulares no condomínio porque está tendo conhecimento de um crime ambiental. “A pessoa que está com o animal será autuada, mas talvez até o síndico ou o condomínio possa ser responsabilizado, caso haja alguma fiscalização.” Há outros aspectos envolvidos na questão, reforça Vincent, como o incômodo aos vizinhos, por barulhos, como gritos de papagaios e araras, risco de fuga dos animais, risco de ferimentos, especialmente em crianças, e a possibilidade de transmissão de doenças (zoonoses) para as pessoas.

Ele cita a psitacose, transmitida principalmente por papagaios e araras, que pode ser fatal, a salmonelose, em tartarugas e cobras, que pode gerar problemas gastrointestinais, e a raiva, que pode ser transmitida por macacos.

O biólogo destaca ainda o efeito deseducativo de manter um animal ilegal em cativeiro, estimulando outros a fazerem o mesmo. “O tráfico de animais silvestres, uma das principais causas para perda da biopersidade e extinção de espécies no Brasil, é alimentado pelo mercado consumidor desses animais. Animais isolados em cativeiro doméstico estão mortos para a natureza e não cumprem seu papel biológico importante, sendo necessária a reversão desse quadro.” 

Por Luiza Oliva


Matéria publicada na edição Nº 138 em agosto de 2009 da Revista Direcional Condomínios



>> Leia mais sobre este assunto

 



 Fornecedores:

          - Advocacia


 

Adriana Jazzar

Geógrafa graduada pela PUC de São Paulo com MBA em Gestão Ambiental e Mestre em Tecnologia Ambiental pelo IPT. Leia artigos

Ana Luiza Pretel

Advogada, administradora de empresas, palestrante, professora universitária. Leia artigos

Cristiano de Souza Oliveira

Advogado e consultor Jurídico na área condominial,sócio consultor da DS&S Consultoria e Treinamento Condominial. Leia artigos

Edson Martinho

Engenheiro Eletricista, presidente da ABRAEL e diretor-executivo da Abracopel. Leia artigos

Hernán Vilar

Psicólogo graduado pela UMESP e Pós- Graduado em Administração de Empresas pela FGV. Leia artigos.

Luís Renato Mendonça Davini

Graduado em Ciências Jurídicas pela Universidade São Francisco, o delegado Luís Renato é consultor de segurança da Asertec. Leia artigos.

Kelly Remonti

É síndica Condomínio Top Village, localizado em Alphaville, Grande São Paulo. Leia artigos.

Michel Rosenthal Wagner

Advogado, membro técnico das vice-presidências de Sustentabilidade e de Administração Imobiliária e Condomínios do Secovi em São Paulo. Leia artigos

Nelson Luiz Raspes

Psicólogo com formação em Dependência Química. Atua há treze anos junto ao Centro de Tratamento Bezerra de Menezes. Leia artigos

Paulo Caldas Paes

Advogado formado pela Universidade Paulista (UNIP) e autor de diversos artigos jurídicos na área imobiliária. Leia artigos

Ricardo Karpat

Diretor da Gábor RH, Administrador de Empresas, com experiência de 12 anos no segmento de condomínios. Leia artigos

Roberto Boscarriol Jr.

Graduado em Engenharia pelo Instituto Mauá de Tecnologia. Formado em 1972

Roberto Flores Freitas

Oficial da Reserva da Polícia Militar do Estado de São Paulo; Sócio-proprietário do Grupo Alpha Serviços

Rodrigo Karpat

Advogado e especialista em Direito Imobiliário e administração condominial. Leia artigos

Rosely Benevides de Oliveira Schwartz

É autora do livro Revolucionando o Condomínio, professora do curso de Administração de Condomínio ministrado pela EPD. Leia artigos

Cadastre-se e receba nossos informativos